Evolução: os objetivos de Lucas Vicente na sua nova surftrip para a Indonésia

Quando você sai de férias, relaxar pode ser seu único objetivo. Mas se você é um atleta de ponta, as coisas podem mudar. Afinal, algumas semanas podem ser cruciais para evoluir e chegar ao próximo nível da sua performance. Pensando nisso, um dos nomes mais promissores do nosso time partiu para a Indonésia com só um pensamento: evoluir. Morador de Florianópolis, Lucas Vicente deixou a capital catarinense durante uma das ondulações mais consistentes do ano rumo à Ásia para surfar ondas mais perfeitas, incluir novas manobras no repertório e subir mais um degrau na escada rumo ao seu sonho, o acesso à elite do surf mundial.

Lucas vai para sua quinta surftrip para a Indonésia. As diferenças desta para as outras trips são duas: o foco no crescimento da carreira e as companhias para a viagem. Entre os companheiros da barca, estão alguns nomes que são tops da elite: Yago Dora, Adriano de Souza, Jesse Mendes, Willian Cardoso, entre outros. A expectativa para a viagem, os objetivos e os pensamentos de Lucas para o restante da temporada você confere abaixo:

Expectativa para a viagem

“A expectativa é muito boa, a previsão está ótima e quero treinar forte para chegar bem para os próximos campeonatos. Evoluir minha performance, botar novas manobras no pé e lapidar meu surf são meus principais objetivos. Vou estar com alguns nomes que são tops da elite do surf, como o Yago, Willian Cardoso, Mineirinho, e tenho certeza que isso também vai me ajudar a atingir esses objetivos”.

Objetivos com a surftrip

“Essa viagem vai tirar um pouco do peso de competição que tive até agora, o que é importante para o restante da temporada. Mas meus objetivos são evoluir minha performance, botar novas manobras no pé e lapidar meu surf. Um período na Indonésia influencia muito na performance, pois é possível treinar manobras que no Brasil são mais difíceis, já que as condições não são tão perfeitas. Incluir essas manobras novas no repertório me dá uma nova carta na manga para os campeonatos. Também quero corrigir alguns erros e testar as pranchas do meu quiver”.

Ondas de sonho

“Quero pegar Macaronis com 6 pés ou maior. É uma onda muito boa quando o mar cresce e eu só surfei lá quando estava menor. Também quero surfar em Kandui e Lances Right mais uma vez, já que da última vez não estava clássico. Vou treinar muito os aéreos e os tubos”.

Viagem com surfistas de elite

“Viajar com surfistas de alto nível vai ser muito bom pra mim. Vou poder ver o que eles fazem e como fazem dentro da água e até como é a rotina deles fora da água, desde a alimentação até os alongamentos que praticam e outras coisas. Com certeza é uma experiência que vai puxar o meu nível de surf para cima. Tenho uma relação boa com o Yago Dora, que também é de Florianópolis, e ele sempre foi uma pessoa muito simples. Surfamos juntos no Campeche uma semana antes de eu viajar e é muito bom conviver com ele e poder ver o surf dele de perto”.

Florianópolis: um centro formador de surfistas de elite?

“Floripa sempre foi um celeiro de surfistas de alto nível e muitos até se mudam para lá para evoluir. Acredito que seja um dos locais mais constantes do Brasil… Se quiser treinar aéreo, tem onda. Se quiser treinar tubo, tem onda. E se quiser treinar manobra, também. Ultimamente muitos surfistas de lá ganharam destaque: o Yago chegou, o Willian Cardoso chegou, o Thomas Hermes, o Ian Gouveia, o Michael Rodrigues, que é nordestino mas mora lá há muito tempo. Poder ver eles chegando ao topo é muito bom, pois nós vemos que é possível, que é só se esforçar e se dedicar que você pode aparecer pro mundo. Acredito que cada vez mais surfistas de Floripa irão aparecer e elevar o nível do surf da cidade. E não só de Floripa, mas de Santa Catarina em geral”.

Metas para o restante do ano

“Meu ano tem sido bom, eu consegui melhorar bastante meu resultado no QS em comparação ao ano passado. Fiquei em terceiro no Rip Curl Grom Search e consegui fazer boas somatórias, com notas altas. Agora estou ali, batendo na porta dos eventos QS 6000. Quero entrar ainda esse ano nesses eventos e tentar um QS 10.000 o mais rápido possível. E também quero me classificar para o Mundial Pro Jr. da WSL. Depois de tudo isso, começo a pensar na classificação para o CT (World Championship Tour da WSL)”.  

Quer acompanhar a trajetória de Lucas Vicente e conferir imagens da trip pela Indonésia? Então siga @hbbrasil e @lucasvicentesurf e fique ligado! Abaixo, confira mais algumas fotos das primeiras ondas de Lucas Vicente na sua surftrip: