Samuel Pupo e a quarta final do Young Guns


Foto: Bosko / Divulgação Quiksilver

Chegar à final do Young Guns não é uma tarefa fácil.

O concurso virtual promovido pela Quiksilver é o foco de muitos grommets que mais tarde acabam se tornando grandes nomes do esporte. Em 2018, o #YGSurf contou com a participação de inúmeros surfistas que inscreveram suas sessões para votação em busca de um lugar na final, normalmente disputada em um local paradisíaco e com ondas de sonho: em 2017, a competição aconteceu nas perfeitas esquerdas da Ilha de Sumatra, na Indonésia. Se era difícil escolher um lugar melhor, a final deste ano chegou com uma nova boa notícia: o local escolhido para receber os grommets foi o Surf Rach, a piscina de ondas artificiais mais famosa do mundo. Entendeu o tamanho da disputa? Bem, então agora você entende porquê devemos valorizar o fato de Samuel Pupo estar pela quarta vez na disputa pelo título.

Campeão em 2017, deixando todos chocados com a consistência da sua performance diante das ondas desafiadoras da Indonésia, Samuel foi o primeiro brasileiro a vencer a competição. A vitória, como ele próprio conta abaixo, trouxe os olhos da mídia internacional para a performance do Pupo mais novo. E ajudou não só na divulgação do nome dele, como também na evolução da sua performance em ondas de nível internacional. Mas a vitória do ano passado ficou para trás. O foco agora é uma nova vitória e a preparação para objetivos maiores com o olho em 2019.

A expectativa para a final do Young Guns, os planos para o acesso ao WCT no próximo ano, a opinião de Samuel sobre as piscinas de ondas artificiais e muito mais você confere abaixo:

Importância do Young Guns para a carreira

O Young Guns é um campeonato muito importante para todos os surfistas que têm menos de 18 anos. É como se fosse um caminho que todo grande surfista deveria fazer, os campeões do passado hoje em dia estão no WCT. Além de reunir praticamente os melhores grommets do mundo, a competição ainda dá uma exposição enorme. A STAB faz a cobertura do campeonato inteiro, então já sai uma matéria gigante sobre os resultados, sobre o campeão, chama bastante atenção. É uma grande experiência.


Foto: Bosko / Divulgação Quiksilver

Diferenças entre 2017 e 2018

Em um ano meu corpo mudou muito, estou bem mais forte, com um surf mais consistente também. Evoluí muito meu surf de linha e estou com a cabeça mais pronta para as competições. O Samuel de 2018 é bem diferente do Samuel do ano passado.

Quarta participação na final

Fiquei muito feliz de saber que iria participar novamente. Ano passado eu tinha decidido que não ia competir de novo, que seria minha última vez. Mas aí vi a propaganda, vi que seria na piscina do Kelly Slater... Me senti inspirado de tentar entrar no campeonato mais uma vez. Fui escolhido como wildcard pelo juízes, então acho que eles querem me ver lá de novo também. Vou entrar com muita expectativa e quero ganhar. É o último ano que tenho para participar e quero colocar meu nome na história como um dos surfistas que conquistou o título duas vezes.

Primeira vez no Surf Ranch e dicas de Miguel Pupo

Estou muito ansioso, é minha primeira vez no Surf Ranch. É uma onda bem diferente, praticamente de sonho: totalmente perfeita, tubular, pra mandar aéreo, rasgada, batida. Meu irmão já foi lá algumas vezes e me deu alguns toques sobre a onda. Ele falou que ela é forte como o mar, que era pra eu me divertir e que não tem como errar. Se você fizer a onda certinha, surfando do jeito que ela pede, é só entubar o máximo possível. Pura diversão.

Preparação para a final

Vou chegar em forma, com um surfe sólido. Eu já vinha me preparando para a etapa 10.000 do QS que vem logo depois da final, o US Open. Fiz muitos treinos de corrida na praia e passei o máximo de tempo dentro da água, botando o surfe no pé. O físico é muito importante, mas estar conectado com as ondas e com as manobras é o que garante que as coisas vão dar certo.

Próximos desafios

O próximo desafio é a etapa do US Open, que tem uma pontuação alta. É um campeonato que tem muita história, meu irmão já fez grandes resultados lá. Espero ir bem lá. É um lugar muito divertido, com pessoas legais e um público gigante. Acho que todo surfista sonha em ganhar um campeonato em frente a um público de milhares de pessoas e depois fazer aquela comemoração na praia. Vou usar esse tempo no Surf Ranch para treinar o máximo possível nas esquerdas. Quero chegar com o backside bem afiado e ir com tudo para o restante da temporada do QS.

Opinião sobre as piscinas de ondas

A piscina de ondas é demais, é a perfeição, Cada onda vem igual para todo mundo. Eu nunca pensei que isso realmente iria acontecer. Mas eu não concordo que ela faça parte do circuito do WCT. Eu acho que a natureza e o mar não podem ser substituídos. Acho  que tirar uma etapa como Fiji do calendário e colocar na piscina de ondas é errado. Poderia rolar um campeonato separado, algo para o público, sem ser realmente valendo título. O campeão do circuito tem que ser o que está mais conectado com a natureza, fazendo as melhores escolhas dentro da água. O surfe nasceu assim e tem que seguir assim.

Objetivos para 2019

O meu único objetivo para esse ano é conseguir o acesso para o WCT em 2019. Eu quero entrar e não coloquei nenhuma vitória específica como meta. Muitos entram sem ganhar nenhuma etapa e esse é meu maior foco. Se eu conseguir, vou ficar muito feliz, pois é um sonho que tenho desde criança. Já passamos da metade do ano, agora que começam os campeonatos mais importantes. Quero estar com a cabeça no lugar, fazer meu surfe e torcer para que tudo dê certo.

* Fique ligado: a final do Young Guns acontece no dia 27 de julho. Acompanhe o perfil de Samuel Pupo no Instagram e a HB Brasil para mais novidades.